Nada de especial mas...



... estou contente e ligeiramente orgulhosa.

Comecei a fotografar porque era necessário para mostrar o meu trabalho. Não gostava nada, não era um prazer, não era um passatempo, era uma seca frustrante. Com o tempo e uma uma máquina ligeiramente melhor, a coisa deixou de ser tão desesperante e quase engraçada. Até deixei de ter vergonha das minhas fotografias. Quem segue este blogue desde o início consegue perceber bem a diferença.

Recentemente descobri os cursos de fotografia da Jackie Rueda (que já mencionei noutro post) e a fotografia tornou-se um prazer, até os auto-retratos. No entanto, continuo a não ter o reflexo de andar de máquina atrás (e tenho o dumb phone mais básico do mercado).

Ontem envieu duas fotografias ao Guardian Witness que foram publicadas no site. Não é nada de especial, basta respeitar o tema proposto, enviar as fotografias e esperar que sejam aprovadas. Estou contente, há uns meses isto não seria possível porque eu seria incapaz de enviar fotografias a um jornal desta envergadura.